quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

''Eu não tenho nada pra dizer...''


Esta semana estou sem assunto.

Tentei escrever ontem, tentei escrever hoje, enfim, não saiu nada! Vim apenas dar um oi.

Ando pensando sobre entrevistas de emprego. Tenho uma enorme curiosidade de saber sobre o que se passa na cabeça do recrutador e o que eles realmente analisam. Sei, claro, que a empresa contratante estabelece o perfil que deseja do profissional e através deste perfil que as coisas acontecem. Contudo o que me intriga é saber o que você faz que te aproxima ou afasta deste perfil. Pode parecer natural, mas nunca sinto naturalidade nas entrevistas de emprego. As qualidades e defeitos descritos pelos candidatos são quase sempre as mesmas e acontece que todos ficam tão mecanicamente iguais, que me dá um comedido tédio. Como saber de fato o perfil, pergunto novamente, o que determina este perfil?

Acho que não estou me fazendo entender, por isso vou parar por aqui. Estou bem ‘’lerda’’ de sono e um pouco bamba por causa da (maldita) dieta. Porém, não vou desistir do assunto, vou refletir sobre isso e depois discuto mais, e claro, estou aberta a opiniões ou esclarecimentos.

Obrigada.

Att.
Fernanda

12 Palpites relevantes:

Mara | 12 de fevereiro de 2009 15:16

A Fê é tão maravilhosa que até quando não tem nada a dizer, diz muita coisa... Fê, você vai chegar lá, calma. Se algum recrutador ainda não te escolheu não é porque você não se encaixou no emprego, é o cara que está no emprego errado! Como deixar passar a Fê, aff...
Te adoro! Beijos!

Lívia Brito | 12 de fevereiro de 2009 16:09

É muito difícil saber o que uma empresa quer a partir da definição do perfil, aliás uma definição muito subjetiva, porque uma pessoa pode ter 'n' qualidades embutidas no que a organização sugere.

No meu curso de marketing vimos alguma coisa sobre marketing pessoal, acho realmente que o entrevistado deve ser o mais transparente possível aliado ao perfil e ao setor que o entrevistador procura; claro procurando omitir alguns detalhes pessoais que não convém para o momento. Mas quanto mais transparentes mais conseguimos responder às perguntas e somos mais objetivos.

E tudo tem sua hora, logo você encontrará algo com o seu perfil! ;)
E ah, é hora de colocar anúncio nas universidades, comecinho de semestre e tal. Eu já coloquei o meu por aqui.

Beijinhos.

Madamefala | 12 de fevereiro de 2009 16:27

Fê querida, brigadíssima pela visita!!Eu tenho mó curiosidade sobre a cabala, acho fantástico, mas te confesso que entendo lhufas do assunto.rs
Eu coloquei cinco, porque o cinco me atrai, odeio coisas quebradas tipo 1.21,1.22 pra mim é 120 ou 125...entende?
Quanto ao teu texto realmente entrevista é meio mecânica...a gente se sente meio mal e se pergunta quais os critérios usados...enfim, é a nossa máquina da oferta e procura.....mas que pra mim parece mais a política do pão e circo.


beijo grandão!

Tangerina | 12 de fevereiro de 2009 21:00

Gente, sobre as entrevistas:

Qual é o objetivo daquelas dinâmicas retardadas? Alguém avisa? Por que encher bexiga, riscar fósforo, fazer desenho? Me sinto indo pra cadeia, não pra um emprego..
Hunf

=* beijo

Jaque de Barro´s | 13 de fevereiro de 2009 13:32

Olá Fernanda, tudo bem?
Não acho que esteja com falta de criatividade, seu "oi" foi bastante instigante. Talvez deva continuar o assunto, há muito o que dizer sobre essas cansativas entrevistas, realmente!
Muito bom o blog, passarei aqui mais vezes, com certeza!
Beijos
PS. Obrigada por visitar o Falsa Ciência

Claudio Justo | 13 de fevereiro de 2009 13:46

Eu tenho sensação de que um dia essas coisas cairão por terra. Ou inventarão outros métodos. Sou muito resistente à, por exemplo, exame psicotécnico em entrevista de emprego, justamente por saber que no ramo da psicologia cada indivíduo é analisado como único. Ou seja, uma prova igual para indivíduos diferentes nega aquilo que norteia a boa psicologia.
Mas o que vejo são cursos e mais cursos de como fazer currículo e entrevistas. Isso, em algum tempo, padronizará os candidatos, que estarão treinados para fazerem a mesma coisa. Mecanicamente.
Talvez, aí, sejamos substituídos, enfim, por máquinas, como previam os mais antigos.

Beijos amor, excelente o seu tema "sem nada pra dizer".

MD | 15 de fevereiro de 2009 14:23

As vezes ficamos assim e nosso silêncio é mais que necessário.
Aproveitei esse tempo para repensar.
Faz bem!

pedro tavares | 17 de fevereiro de 2009 00:44

Vai completar o refrão também? :P

Lívia Brito | 17 de fevereiro de 2009 07:58

Hi.

Tô passando pra dizer que te repassei um meme, dá uma olhada lá na Mera! ;)

Beijos.

(marta selva) | 17 de fevereiro de 2009 16:31

hehe
analisar gente pra emprego eh uma arte, de fato. eheh
qnd eu trabalhava em RH eu achava meio assutador como a pscicologa la fazia. :p

;*

Lívia Brito | 19 de fevereiro de 2009 11:35
Este comentário foi removido pelo autor.
Lívia Brito | 19 de fevereiro de 2009 11:37

http://www.administradores.com.br/noticias/caracteristicas_que_o_mercado_de_trabalho_repudia/21030/

Fê, li este artigo e lembrei de você.
Pode acessar que é confiável. ;)

Beijos.