segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Reticências


Quero todas as palavras
Quero todas as letras
Sem grandes possibilidades
A minha alma fica pequena.

Quero juntar as belezas,
Sedimentar as alegrias,
Desbravar todo esse destino.

Quero explorar o mundo,
Ir bem lá no fundo e
Descobrir o tesouro,
Não o mais valioso
Não o de jóias e rubis
Quero o de cores e aromas
De estradas e coisas mil.

Quero ir ao céu,
Tocar as nuvens,
Desfazer seus informes desenhos
E escrever no azul, de branco
Todas as palavras
Todas as letras.

E se sobrar tempo,
Quero ir ao mar
Ir bem fundo
E buscar bem fundo
Todas as aspirações do mundo.
Para completar,
o peixe mais pequeno vou pegar
Para dele poder fazer o rei do meu maior mundo.



Este poema eu escrevi quando estava no início da faculdade, no 2° período se não me engano (2003)... Na época gostei dele, hoje não achei legal, não muito. Mas está ai! É meu post de hoje!

5 Palpites relevantes:

Ana Paula | 22 de fevereiro de 2010 22:08

Obrigada pela sua visita! Querer é poder õ/ hahaha. Gostei do poema.
Também adoro questionário, listas, etc.

Beijos e volte sempre.

Ana Cristina Quevedo | 22 de fevereiro de 2010 22:29

Não gostatse hoje?
Achei tão bonito, tão lírico!

A cada dia que passa parece que somos mais críticas quanto a nossas produções.

Mas achei-o lindo!

Júlio Castellain | 22 de fevereiro de 2010 23:45

...
Eu gostei.
Beijos.
...

Tyna | 23 de fevereiro de 2010 06:42

Olá Fê!
Ah, eu adorei menina...

Vim retribuir sua visita a casa de meu filhote rs, e pedir desculpas pela demora, mas cheguei! Obrigada pelas palavras lá deixada, e que seu sonho de ser mãe se realize num momento maravilhoso... É uma delícia trabalhosa rsrsr


Beijos e seja sempre bem-vinda

Claudio Justo | 24 de fevereiro de 2010 00:31

Sou muito mais um poema pueril como esse seu, sonorizado, com beleza estética, que os novos poemas complexos que a crítica insistem adorar. Textos assim me aproximam mais de Deus.

Beijos